5 estratégias para gerar mais caixa em 2020

5 estratégias para gerar mais caixa em 2020

Visão Geral

A situação das empresas brasileiras é bastante complicada. Conforme reportagem da Folha de São Paulo, apenas 11% das micro e pequenas empresas têm capital de giro para atravessar um mês. E a situação não é difícil apenas para as pequenas. Segundo o Estadão, apenas 50% das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita.

Essa falta de robustez das empresas brasileiras pode ser explicada pelo período longo de crise econômica, mas também pela baixa capacidade de geração de caixa que poderia ter sido usada para agregar nas reservas de segurança com o objetivo de suportar o impacto de novas crises. Estar preparado para os Cisnes Negros é fundamental para que a seleção natural esteja ao nosso lado.

Nesse sentido, a geração de caixa é a principal meta de sobrevivência das empresas, a implementação de todas as outras estratégias que forem pensadas dependem dela. Sem caixa não é possível sobreviver a uma crise longa, e muitas vezes também não é possível aproveitar as oportunidades que surgem com as crises como a redução de preço de alguns ativos importantes para a organização. Seja qual for o motivo para desejar gerar mais caixa, é preciso conhecer as estratégias para se fazer isso na prática.

Atualmente, dada a situação do mercado financeiro e principalmente das baixas taxas de juros não adianta pensar em gerar caixa através de receitas financeiras, afinal esse não é o seu negócio, certo? A alternativa que sobra é dedicar esforços e recursos na melhoria do EBITDA, o principal indicador da geração de caixa operacional. Mas melhorar esse indicador pode ser desafiador. Agora, se sua empresa não tem fluxo de caixa e DRE, dê alguns passos atrás e vá resolver essas pendências, elas são a base para desenvolver qualquer trabalho descente no sentido do aumento da geração de caixa.

Nosso Amigo

Ao ser questionado na prática como aumentar a geração de caixa através de ações na operação um empresário conhecido ficou em silêncio. Ele fez isso porque obviamente, se soubesse a resposta, a geração de caixa já seria maior. Normalmente, várias alternativas já foram testadas e o conhecimento interno se mostrou insuficiente para apontar os caminhos para a melhoria na geração de caixa. Neste cenário, para desenvolver novas estratégias, a necessidade de conhecer novos conceitos, ferramentas, metodologias e tecnologias é crítica. Esse artigo tem o objetivo de iluminar essas questões trazendo 5 estratégias para aumentar a geração de caixa.

Estratégias para Nosso Amigo

Estratégia 1: Aprimorar as vendas via integração com demais setores da empresa

Melhorar a abordagem de prospecção e vendas é fundamental para gerar melhores perspectivas quanto ao aumento do volume de negócios e em relação a qualidade das vendas fechadas. No entanto, atuar apenas nessa frente pode ser desastroso. Atraso nas entregas, fluxo de caixa negativo, multas contratuais pesadas por atraso e queda da reputação são apenas alguns dos inúmeros problemas que podemos ter, mesmo se o foco for apenas no comercial.

Para evitar esses problemas é necessário que os outros processos da empresa estejam integrados ao processo de vendas. Por exemplo, é fundamental que as previsões de vendas sejam alinhadas com o departamento de produção para evitar que a falta de matérias, ou atraso de fornecedores impeçam a entrega dos produtos no prazo. Nesse sentido uma rotina de previsão de vendas é fundamental (Baixe gratuitamente nossa planilha de previsão de vendas). Além disso, essa maior integração entre vendas e produção é vantajoso para outras áreas da empresa como por exemplo compras, uma vez que, sabendo com maior precisão qual será a demanda efetiva fica mais fácil tomar decisões de compras de matérias-primas (baixe gratuitamente nossa planilha para planejamento de compras com lógica MRP).

Estratégia 2: Reduzir os custos fixos através da redução dos tempos de entrega

Acelerar a produção pode ter resultados igualmente impactantes na geração de caixa. A conta é simples, imagine se ao invés de entregar 10 barcos por semana um estaleiro começar a entregar 11 barcos. Com esse aumento de 10% os custos fixos podem ser reduzidos proporcionalmente uma vez que a receita de produtos aumentou.

Para fazer isso é necessária uma abordagem sistêmica dos processos produtivos. Precisamos identificar quais seriam as oportunidades para redução desse tempo.

Certamente um conjunto significativo de oportunidades está no planejamento e controle da produção. Prever melhor qual será a demanda ajuda a focar no que realmente será atendido e inclusive definir quais produtos podemos ter para pronta entrega, podendo reduzir substancialmente o tempo de entrega (clique aqui para saber mais como definir os produtos que podem ser colocados para pronta entrega). Ter um plano mestre de produção otimizado com o objetivo de utilizar o máximo da capacidade de cada recurso disponível incluindo pessoas e máquinas principalmente (Baixe gratuitamente a planilha de plano mestre otimizado). Ter em funcionamento a lógica do MRP também ajuda muito. Considere que um produto não foi entregue porque uma compra não foi feita na data correta. Se evitarmos esse tipo de erro mais entregas poderão ser feitas no prazo. Além disso, métodos e técnicas de sequenciamento podem reduzir significativamente os tempos mortos relacionados a espera de disponibilidade de recursos para processar determinada tarefas.

No entanto, o custo variável continuará elevado. O que nos leva a 3ª estratégia para melhoria do capital de giro.

Estratégia 3: Reduzir os custos de produção focando na redução de desperdícios

O foco dessa estratégia e minimizar os custos associados aos desperdícios. Uma maneira de identificar melhorias é desenhar o mapar de fluxo de valor, o VSM. Com esse mapa em mãos podemos usar as 8 MUDAS para identificar ações para combater cada um dos tipos 8 tipos de desperdício:

  1. Movimento (dentro da célula de produção)
  2. Transporte (entre células de produção)
  3. Espera
  4. Qualidade abaixo
  5. Qualidade acima
  6. Excesso de produto acabado
  7. Excesso de produtos intermediários
  8. Não usar os colaboradores em sua capacidade cognitiva máxima

Talvez se você for consultar na internet os termos não serão exatamente o mesmo, mas coloquei dessa forma para facilitar o entendimento e a forma de identificar os desperdícios de maneira mais imediata.

Sendo assim, a partir do VSM e das 8 MUDAS é possível criar um plano de ação para minimizar os desperdícios mais visíveis. Mesmo depois que esse plano estiver concluído é fundamental ter em mente as 8 MUDAS e o VSM atualizado para que novas oportunidades de melhorias sejam identificadas.

Estratégia 4: Reduzir a necessidade de capital de giro revisando os processos atuais

Alterações significativas no cenário dos negócios podem forçar uma revisão estratégica dos processos. É uma oportunidade para simplificar processos, fazendo com que eles sejam mais digitais, incluindo trabalho remoto ou em tempo parcial como alternativa ao modo tradicional. Adequações no perfil dos cargos e novos softwares mais adequados a nova estratégias podem ser necessários.

Comece pela sua estratégia e faça análises e desdobramentos até chegar em ações práticas. Pegue a sua matriz SWOT atual e inclua novas tendências no seu segmento, analise o mercado atual e encontre novas oportunidades e ameaças que surgiram com o novo contexto. Olhe para dentro da sua organização identificando forças da sua empresa que podem ser usadas para obter vantagens no novo cenário e fraquezas que podem ser usadas como ponto de partida para um plano para o desenvolvimento.

Essa análise estratégica preliminar será fundamental para definir as metas que serão usadas pela sua empresa nos próximos 12 meses. (para saber mais como desenvolver esse projeto clique aqui). Com essas metas definidas é possível revisar os processos para que sejam “máquinas de bater metas”. Por exemplo, se você tem uma indústria e para estar a frente de seus concorrentes precisa desenvolver assistência técnica remota, você provavelmente precisará montar um curso online para ajudar o seu cliente a identificar e corrigir problemas no seu produto, ou desenvolver um aplicativo para indicação de técnicos credenciados capacitados remotamente a corrigir os problemas ou ajustar o equipamento. Nesse caso vários formulários antigos precisarão ser substituídos e ajustados para se adaptar ao novo processo.

Até aqui vendas foram melhoradas, custos fixos e variáveis reduzidos. No entanto, para melhorar a geração de caixa ainda precisamos reduzir despesas. O que nos leva a nossa 5ª estratégia.

Estratégia 5: Reduzir despesas através da modernização dos controles internos

Como controlar um processo que ocorre virtualmente? Com o trabalho remoto, muitas vezes fica difícil andar fisicamente pelo processo e entender como as coisas estão acontecendo. Sendo assim, os processos desenhados precisam ser virtualizados. O uso de ferramentas de controle de processo em nuvem como o Trello, Bitrix, dentre outros que usam a lógica do kamban podem ser usados para dar essa sensação de caminhar pelo processo, quando o supervisor visualiza o quadro kamban.

Existem muitas vantagens de se usar esse tipo de sistema. Uma das principais é a coleta de dados automática dos tempos e outros dados que podem ser usados como fonte para o cálculo de indicadores que por sua vez podem gerar painéis (dashboards) gerenciais para uma visualização em tempo real do desempenho do negócio.

Além das melhorias apresentadas até agora existe a possibilidade de automatizar algumas atividades. Como muitas atividades foram digitalizadas, temos a matéria-prima que precisávamos para construir as automações administrativas. Por exemplo, coletas de dados podem ser feitas por scripts bem montados usando VBA no Excel, ou Javascript no Google Spread Sheets. No caso de análises mais elaboradas podemos usar o R ou o Python. A vantagens desses últimos é a possibilidade de emular, ou seja, imitar decisões humanas com o uso de tecnologias como o aprendizado de máquina (ou machine learning com é conhecido mais popularmente). Um exemplo disso é a área que concede limite de crédito na empresa para reduzir a inadimplência. Usando esse tipo de técnica é possível “treinar” o computador a tomar decisões parecidas como as que o analista de crédito usualmente tomaria, reduzindo significativamente a necessidade de mão-de-obra nesses setores.

Conclusão

Essas são algumas das estratégias possíveis para se fazer isso. Existem várias outras que podem ser usadas dependendo do contexto de negócio da sua empresa. A Solverus trabalha com algumas delas. Caso sinta necessidade, agende uma consultoria conosco. Será um prazer contribuir para o aumento da geração de caixa da sua empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares